Segunda, 26 de Outubro de 2020 09:07
011993991484
20°

Poucas nuvens

SP - CENTRO - SP

Dólar com.

R$ 5,63

Euro

R$ 6,68

Peso Arg.

R$ 0,07

Música Lançamento:

THE VAMPS LANÇA “CHERRY BLOSSOM”, SEU NOVO ÁLBUM

The Vamps estão de volta com “Cherry Blossom”. O nome do álbum é um reflexo do tema renascimento que o permeia.

17/10/2020 05h24
Por: Redação Fonte: Assessoria de Comunicação.
Reprodução / Imprensa.
Reprodução / Imprensa.

E é um renascimento do The Vamps. É seu álbum mais pessoal e plenamente desenvolvido até agora – liderado pela arrasadora e excelente música “Married in Vegas” (indicada na BBC Radio 2 e no 'Registro da semana' por Matt e Mollie, na BBC Radio 1) – o álbum foi auxiliado pelo descanso forçado, com a banda tendo tempo e espaço para planejar meticulosamente o que eles exatamente queriam dizer.

 

“Antes, estávamos apenas fazendo coisas na estrada. Estava funcionando e e adorávamos, mas precisávamos de tempo para ficar entediados. Esta é a primeira vez que estou tão entediado que comecei a tentar coisas que nunca fiz antes”, explica o cantor, compositor e produtor Simpson.

 

É um álbum que começou com um leve esbarrão. Sempre ocupados com álbum, turnê, álbum-gravado-na-turnê, outra turnê, eles voltaram à velha rotina e escreveram a metade do álbum rapidamente, 18 meses atrás. No entanto, algum tempo de folga era necessário, então eles se entregaram a aquela coisa rara de terem um espaço longe da banda. “Tivemos muito tempo para pesquisar nossa alma, mas também como músicos, tivemos tempo para ouvir uma variedade de álbuns diferentes e apenas desfrutar a música”, explica McVey.

 

No verão passado, insatisfeitos com os resultados das primeiras sessões, eles reservaram alguns AirBnbs e simplesmente começaram a tocar como banda. “Acabamos descartando todas as primeiras músicas e começando de novo”, diz McVey. “O verão passado foi o verdadeiro momento de grande avanço para nós. Nós escrevemos uma música chamada ‘Part of Me’ em uma das sessões do AirBnb e foi aí que pensamos 'oh merda, vamos fazer um álbum inteiro assim'”. Essa música imediatamente definiu o padrão para o resto do álbum, como Simpson explica: “Nós descobrimos para onde queríamos ir em termos de nossas próprias aspirações. Também tivemos tempo para fazer isso. Nós pensamos: ‘se podemos fazer isso, então não devemos nos contentar com nada menos do que isso’". Esse sentimento se reflete na letra do segundo single, “Better”, que diz "Não vou me contentar com menos do que o melhor, podemos fazer melhor do que isso".

 

Essas sessões também serviram como um futuro para a banda. Tendo uma década de carreira, e agora em seu quinto álbum, eles tiveram que fazer um balanço. “Quando você está em turnê, é muito reativo e você não está necessariamente mergulhando fundo em seus relacionamentos como uma banda”, diz Simpson. “Chegamos a um ponto em que precisávamos parar para que soubéssemos o que queríamos fazer a seguir. Cada encruzilhada que chegávamos – o fim de uma turnê ou o fim do ciclo de um álbum – era como 'o que vamos fazer a seguir?' E sempre haveria uma resposta. Uma das perguntas que me lembro de ter feito à banda foi: 'no próximo ano, o que todos vocês querem de suas vidas pessoais? Esqueça a música, o que vocês querem como pessoas? Então, sabíamos que se fôssemos fazer um álbum, antes de mais nada, teria que ser um que amássemos e que pudéssemos dar total apoio. Precisávamos ter certeza de que, pessoalmente, todos estávamos firmes como uma rocha”. Com isso estabelecido e as músicas fluindo, eles chamaram colaboradores regulares, como Jack & Coke (Rita Ora, Charli XCX), Lostboy (Zedd, Dua Lipa) e JHart (Camila Cabello, The Script) para ajudarem a moldar as músicas, ao lado de Simpson, que assumiu a liderança de grande parte da produção.

 

Mais sessões ainda eram necessárias quando começou o lockdown, mas graças ao fato de cada membro da banda poder escrever e produzir, eles foram capazes de continuar trabalhando nas músicas via Zoom e vários outros aplicativos, incluindo o Mixin, que lhes permitiu mandarem os arquivos uns para os outros. “O lockdown nos permitiu terminar o álbum antes de começarmos a promovê-lo”, diz McVey. “Ele nos deu alguns meses para nos esforçarmos e terminar o álbum. Também nos deu tempo para estarmos mais prontos do que jamais estivemos”.

 

No início deste ano, o álbum foi enviado para a gravadora da banda. No que dizia respeito a todos, ele estava acabado, apenas com os singles ainda por decidir. Eles sabiam que tinham uma forte coleção de sucessos e baladas que contavam a história de uma banda renascendo, mas eles não estavam totalmente certos sobre qual música deveria marcar o início do The Vamps Part 2. Foi quando o Zoom realmente se tornou importante. “No dia em que entregamos o álbum, fiz uma ligação no Zoom para o produtor Lostboy”, explica Simpson. “Bebemos algumas cervejas e, quatro horas depois, nasceu ‘Married in Vegas’”. Cabe a McVey preencher as lacunas. “Eu estava jogando Playstation com meus amigos e era cerca das 23 horas e eu também estava bastante bêbado. Então, Brad me chamou pelo FaceTime e disse 'Acabei de escrever essa música!'. Adoro momentos como esse porque, mesmo quando você pensa que algo está terminado, você ainda pode mudar no último minuto”, diz ele. De repente, a corrida para ser o primeiro single do “Cherry Blossom” foi vencida por uma nova música, um sinal claro de que sua criatividade estava em pleno desenvolvimento. “Essa música apareceu e nós pensamos 'certo, foda-se, é esta!'. Foi bom ter essa clareza”.

 

Na verdade, 'clareza' é a palavra que sustenta tudo sobre “Cherry Blossom”. Foi a clareza de visão da banda que a ancorou desde o início, com eles também querendo manter o álbum focado, trabalhando com um grupo muito menor de colaboradores do que tinham trabalhado antes. A cada álbum, eles também estão se tornando cada vez mais envolvidos na produção, bem como na composição, com 60% do álbum produzido apenas pela banda. Se seus dois primeiros discos se centraram em torno de pop acústico brilhante e os outros dois que se seguiram em torno de um som mais experimental, mais EDM, então “Cherry Blossom” parece o ponto médio perfeito entre essas duas paisagens sonoras. É um álbum que os vê abraçando onde estão agora, com seus vinte e poucos anos, com uma base de fãs passando pelas mesmas coisas que eles. “Os fãs querem mais contexto para a música agora, eles querem mais subtexto para ela”, diz Simpson. “Você estará prestando um desserviço a eles se não fizer isso para eles evoluírem, para eles serem autênticos. A ideia é trazê-los para uma jornada conosco, à medida que crescem também. Estamos escrevendo sobre coisas que não necessariamente tocamos antes”. Então, enquanto a divertida e saltitante música em forma de castelo inflável “Married in Vegas”, impulsionada por um riff de piano animado ao estilo Elton John, é sobre jogar a cautela ao vento, canções como a balada “Would You” lida com as inseguranças que surgem em relacionamentos aparentemente perfeitos. “Se eu saísse pela porta, você notaria que eu tinha ido embora”, canta Simpson sobre uma mistura de batidas intrincadas, paisagens sonoras misteriosas e delicadas cifras de guitarra. “Para mim, a música e as letras se tornaram realmente catárticas e uma forma de expressar um sentimento que não deveria estar lá”, diz Simpson.

 

The Vamps, também conhecidos como Brad Simpson, Connor Ball, Tristan Evans e James McVey, nunca tiveram realmente a chance de ficar entediados antes de 2020. Desde que seu álbum de estreia de platina, “Meet The Vamps”, ficou em #2 nas paradas do Reino Unido, em 2014, a banda tem se agarrado a uma onda de álbuns oníricos (quatro no total, incluindo em 2017, “Night & Day (Night Edition)”, com o sucesso global do DJ Matoma All Night), singles (oito sucessos no Top 40, incluindo cinco no Top 10) e turnês mundiais (eles são a primeira banda que foi a atração principal no O2 Arena de Londres, por cinco anos consecutivos). Com a turnê de 2018, e o Top 3 hits “Night & Day (Day Edition)” pronto, a banda voltou de uma pequena pausa quando uma pandemia atingiu o mundo bem no momento que eles estavam elaborando o novo álbum.

 

No espaço de apenas seis anos, The Vamps transformou-se de boyband de olhos brilhantes e impacientes em uma banda pop totalmente desenvolvida que cria sucessos do tamanho de uma arena. Em “Cherry Blossom”, aquela musicalidade que ocasionalmente se perde em agendas frenéticas de lançamentos, turnês mundiais e premiações tem tido tempo para florescer adequadamente. Este não é um veículo para a atual safra de compositores e produtores requisitados da pop music, este é um projeto líder do The Vamps que se tornou ainda mais impressionante pelo fato de ter sido aprimorado e refinado durante o lockdown.

 

“Estaríamos mentindo se disséssemos que não gostaríamos que ele saísse pelo mundo e fosse recebido positivamente”, diz Simpson sobre suas esperanças para o álbum. “Mas, em última análise, nós o amamos muito, e esse sentimento de auto realização é muito emocionante. Essas são músicas que realmente tocam em partes de nossas vidas”. Ele sorri. “As músicas significam esse ‘algo mais’”.

 


 
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
SP - CENTRO - SP
Atualizado às 09h03 - Fonte: Climatempo
20°
Poucas nuvens

Mín. 19° Máx. 29°

20° Sensação
17.7 km/h Vento
70.2% Umidade do ar
90% (12mm) Chance de chuva
Amanhã (27/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 26°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Quarta (28/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 29°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.