Sábado, 12 de Junho de 2021
011993991484
Novidades Novidades:

Marcos Magah canta com Odair José

Discos com produção de Zeca Baleiro e Tuco Marcondes

05/06/2021 05h38
Por: Miquel Souzza Fonte: Assessoria de Comunicação.
Reprodução / Imprensa.
Reprodução / Imprensa.

Marcos Magah e Odair José dividem os vocais na canção “Estação Sem Fim”, Este é o primeiro single do álbum “O homem que virou circo”, que o cantor e compositor maranhense está gravando com a produção de Zeca Baleiro e Tuco Marcondes.

“Durante um período viajei pelo Brasil com o violão nas costas, me apresentando em bares. E tenho uma recordação especial da passagem por Goiânia, porque foi lá que fiz a letra de ‘Estação sem fim’. Só depois descobri que é o estado natal de Odair José. Foi uma feliz coincidência. Nunca imaginei que anos depois gravaria a música com ele”, relembra Magah.

 

Além do dueto com Odair, o disco traz duas canções assinadas com Zeca Baleiro: “O homem de ferro” e “Alcântara em chamas”. Há, ainda, uma parceria de Magah com o poeta Celso Borges, “As coisas mais lindas do mundo”. Ao todo, são 13 faixas inéditas do artista que nasceu na cena punk de São Luís, integrando a lendária banda Amnésia, e que depois seguiu em carreira solo, misturando música folk, rock e brega.

 

Foi em 2019, na gravação do documentário “Ventos que Sopram – Maranhão”, do cineasta Neto Borges, que Marcos Magah e Zeca Baleiro se reencontraram depois de anos. Os dois se conheciam desde os anos 80 mas nunca haviam feito nada juntos. O reencontro resultou numa canção em parceria, “Eu Chamo de Coragem”, gravada por Baleiro no álbum “O Amor no Caos – volume 2”. Na época, também aconteceram as primeiras conversas sobre a possibilidade de gravarem um disco de inéditas de Magah, com produção de Baleiro e Tuco Marcondes.


Discografia

 

Magah lançou os álbuns “Z de vingança” (Pitomba Livros e Discos - 2013) - um grande sucesso na cena alternativa de São Luís, tendo vendido mais de 18 mil cópias do CD -, e “O inventário dos mortos ou zebra circular” (2015), que recebeu o prêmio de melhor álbum da música maranhense, concedido pela Rádio Universidade FM no ano de lançamento.

 

Trajetória
Nascido em São Luís, Marcos Magah passou parte da infância em uma fazenda no interior do estado, onde conviveu com o seu avô materno, um amante de música que passava os dias ouvindo discos de Luiz Gonzaga, Teixeirinha e de cantores de brega como Bartô Galeno e Balthazar.
No começo da adolescência, já de volta à capital, descobriu o rock em meados dos anos 80, com a ajuda do irmão mais velho que colecionava discos de heavy e hard rock. Foi nesse período, mais precisamente em 1987, que resolveu montar uma banda de punk com o amigo Carlinhos Pança. “A conversa se deu na saída de um show da Ácido e da Lúgubre, pioneiras do heavy metal em São Luís. Eu e Carlinhos descobrimos que tínhamos afinidades musicais e montamos a Amnésia, a primeira banda punk maranhense. Foi quando comecei a fazer música”, conta Magah.
Com a Amnésia - que ganhou fama na cena underground das regiões Norte e Nordeste, dividindo espaço com grupos como Delinquentes (Pará) e Descarga Violenta (Rio Grande do Norte) -, Magah tocou em vários locais de São Luís e excursionou por vários estados. “O ilustrador e militante punk Joacy Jamys divulgava a Amnésia no Brasil inteiro por meio de demos e fanzines. Por onde andávamos, havia um público grande para acompanhar a gente”, relata. Sobre a passagem pela Amnésia, Magah recorda com clareza do último show em que tocou com a banda. “Foi em 2005, no bar Castelo Rock, no Centro Histórico de São Luís. O proprietário do espaço teve que fechar a porta porque não havia mais espaço para o público”.
Depois que deixou o grupo, Magah colocou o violão nas costas e viajou pelo Brasil. Passou por Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul e Goiás, sempre tocando em calçadas e bares. De volta ao Maranhão, Magah excursionou pelo interior do estado, cantando clássicos da música brega, até parar para gravar “Z de vingança” (2013).

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.